Dia dos Namorados: saiba como é comemorada a data na China

Saiba mais com a Travely Operadora de Turismo!

Se o Dia dos Namorados brasileiro está próximo de acontecer e o Valentine’s Day –a data mais comum dos casais pelo mundo– é lembrado sempre em fevereiro, há um outro feriado de celebração ao amor que reúne um grande número de pessoas no globo: o Festival Qixi, conhecido como o Dia dos Namorados chinês, que este ano vai acontecer no dia 17 de agosto (ele é originalmente celebrado no sétimo dia do sétimo mês do calendário lunar).

A data marca um conto que vem sendo relatado de geração a geração por mais de dois mil anos desde a Dinastia Han (206 a.C – 220 d.C).

A história que ilustra o Qixi diz que Zhi Nu, uma deusa famosa por suas habilidades de tecelã –a China tem os maiores campos de colheita de algodão do mundo–, veio ao mundo mortal e conheceu um fazendeiro chamado Niu Lang.

Ela foi trazida por um boi que tinha sido resgatado por Niu Lang e que, em retribuição, convidou a deusa para vir à Terra. Os dois se apaixonaram, casaram-se e tiveram dois filhos (uma menina e um menino) durante o período em que estiveram juntos.

Porém, quando a mãe de Zhi Nu, a rainha-mãe do céu, descobriu a união da filha com um mortal, ficou furiosa e tirou a deusa do mundo à força com a ajuda de soldados celestiais. De volta ao céu, sua morada anterior, Zhi Nu deixou Niu Lang angustiado na Terra.

No entanto, o velho boi que ele tinha resgatado tempos antes lhe revelou que era, na verdade, um deus ferido que vivia desde então no mundo mortal. Ele ofereceu sua vida ao fazendeiro, porque com a pele do seu corpo Niu Lang poderia fazer sapatos que lhe permitiriam voar até o céu e reencontrar Zhi Nu.

Quando o boi morreu, Niu Lang cumpriu a orientação, mas a tentativa de encontrar Zhi Nu com os dois filhos falhou, porque a rainha-mãe usou um grampo dos seus cabelos para criar um rio de estrelas que se tornaria a Via Láctea, o que separou definitivamente os dois amantes. Seus gritos de dor tocaram os pássaros (que na lenda chinesa aparecem como os pica-paus asiáticos) que resolveram construir uma ponte para o casal se encontrar acima do rio.

A rainha-mãe, impressionada com o esforço dos animais e o amor da filha e do fazendeiro, concordou em permitir que o casal se encontrasse uma noite por ano no Qixi, a sétima noite do sétimo mês do calendário lunar chinês. Desde então, ele se tornou o dia que se lembra da existência do amor verdadeiro.

Antigamente, as mulheres ofereciam frutas e comida para a deusa Zhi Nu na noite do festival, uma oferenda que pedia, acima de tudo, que elas tivessem as mesmas mãos tecelãs da divindade para encontrar seus maridos ideais. As crianças também colhiam flores selvagens para pendurar em chifres de boi em memória do animal sagrado que se sacrificou pelo amor dos dois.

Os chineses costumam observar as tradições do Qixi até hoje com muito cuidado: uma das mais populares envolvem mulheres que, normalmente na noite do reencontro, mostram sua destreza com a agulha debaixo da “sétima lua”. Elas também colhem flores, animais e pássaros para lembrar da história de Niu Lang e Zhi Nu.

Mas o festival celebra uma variedade de diferentes tradições em honra ao Qixi. Na cidade de Shaoxing, no sudoeste do país, por exemplo, as garotas se escondem em fazendas de abóboras, acreditando que aquelas que escutarem os sussurros do casal irá encontrar o amor verdadeiro.

Na província de Hunan, por sua vez, as mulheres buscam água das montanhas. Acreditando que ela é sagrada, elas lavam seus cabelos para serem abençoadas por Zhi Nu. Outras coletam orvalho –simbolizando as lágrimas do casal original– nas primeiras horas do Qixi, porque creem que tomando-o podem ficar mais inteligentes.

Em Taiwan, as pessoas lançam lanternas flutuantes no céu para desejar sorte ao casal durante sua única noite no ano.

Hoje, mesmo com a história milenar, o Qixi é uma data comercial na China: as pessoas se hospedam em hotéis, saem para jantar e trocam presentes, assim como é no Brasil. Da mesma forma, nem todo mundo tem alguém para dar doces ou flores para o Dia dos Namorados chinês: em um país com 1,4 bilhão de pessoas, cerca de 200 milhões (quase a população brasileira inteira) estão solteiras.

Os chineses, vale lembrar, também costumam celebrar o Valentine’s Day, no dia 14 de fevereiro. Da mesma forma que no Ocidente, aliás, esse dia também foi comercializado por hotéis, empresas de doces, vendedores de flores e outras indústrias de presentes que são trocados na data.

 

Fonte: catracalivre.com.br

Compartilhar:

Contato

Cadastre seu e-mail e receba promoções exclusivas!

Seu Telefone (obrigatório)